Segunda a Sexta: 07h00 às 19h00
Sábado | 07:30 às 12:00

(16) 3441.1076 | 34411077

Notícias // UnaVita Clínica Médica. Bem-estar do paciente e atendimento diferenciado.

Andropausa: 8 sinais de que a sua testosterona está baixa
24 de Julho, 2015

Andropausa: 8 sinais de que a sua testosterona está baixa

Você, homem, já ouviu falar na andropausa? Se sim, parabéns, já que não faz parte dos numerosos 57% de homens brasileiros que desconhecem o que é a queda de testosterona que pode acontecer conforme a idade avança. Aquele cansaço, depressão, alterações no humor podem ser, sim, uma baixa no hormônio masculino, que pode acontecer, normalmente, depois dos 40 anos. Para resolver isso, é necessário procurar um médico. Apesar da extrema importância, não basta ir somente ao urologista, segundo Carlos Sacomani, urologista e diretor de comunicação da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). É preciso visitar o cardiologista e também o endocrinologista para fazer uma prevenção de problemas, e não apenas tratá-lo quando ele chega a um nível descontrolado. Avaliar a saúde como um todo é benéfico para a saúde masculina. >> Veja 8 sintomas da andropausa: Depressão. Alterações do humor. Diminuição da libido e disfunção erétil. Diminuição dos músculos e redução da força. Alterações nos pelos do corpo. Osteoporose. Distúrbios do sono. Aumento da gordura visceral. Segundo uma pesquisa divulgada pela SBU em parceria com a Bayer, neste mês, 51% dos homens nunca foram ao urologista. Portanto, metade da população masculina pode sofrer com essa queda de testosterona – que se reflete nas relações pessoais – sem saber. O estudo aponta ainda que 30% dos 3200 homens de oito capitais brasileiras, ouvidos na pesquisa, atribuem os sintomas que a queda da testosterona dá ao excesso de trabalho e estresse do dia a dia. Outros 17% acreditam que isso possa ter relação com problemas emocionais e psicológicos. Apenas 15% entendem que são os problemas da andropausa que podem causar os sintomas indesejáveis. Além disso, 68% não sabem a diferença entre terapia de reposição hormonal e estimulante sexual. A reposição hormonal, segundo a endocrinologista-chefe da Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento do Hospital das Clínicas de São Paulo, Elaine Frade Costa, visa suprir a necessidade do corpo, que passou a produzir uma quantidade insuficiente de hormônios. Fornecer uma quantidade de testosterona além do necessário, portanto, não é uma reposição hormonal. Isso vale para o uso de anabolizantes ou outras substâncias proibidas e perigosas.   Fonte: midianews.com.br